Membro dos Guardiões da Galáxia já foi personagem da DC Comics

Décadas atrás, o lendário Steve Englehart levou um membro dos Guardiões da Galáxia com ele para a DC Comics, Eclipse e Image Comics.

Membro dos Guardiões da Galáxia já foi personagem da DC Comics

A década de 1970 foi uma época um pouco “sem lei” no mundo dos quadrinhos, tão desregulada que Mantis dos Guardiões da Galáxia foi usada em quatro editoras diferentes por...

 Membro dos Guardiões da Galáxia já foi personagem da DC Comics
Imagem: Reprodução | Divulgação
Publicidade

Publicidade

A década de 1970 foi uma época um pouco “sem lei” no mundo dos quadrinhos, tão desregulada que Mantis dos Guardiões da Galáxia foi usada em quatro editoras diferentes por seu criador, Steve Englehart. Mantis, ou a “Madonna Celestial”, sempre foi mais cosmicamente importante na Marvel Comics do que no MCU, tão importante que Englehart a trouxe para DC Comics, Eclipse e Image Comics.

LEIA MAIS!

Criada em uma seita religiosa da raça Kree, a artista marcial e super-heroína Mantis estreou em 1973 em Os Vingadores #112, apresentada como uma mulher meio vietnamita, meio alemã com incríveis habilidades de luta e uma tendência a se referir a si mesma na terceira pessoa.

Originalmente criada por Steve Englehart, conhecido por passagens lendárias em Lanterna Verde, Os VingadoresDoutor Estranho, o autor usou Mantis como um personagem principal ao longo de sua carreira em Os Vingadores, e decidiu que a levaria para fora das fronteiras da Marvel Comics.

Publicidade

Embora os personagens de artes marciais verdes que Englehart colocou em quadrinhos futuros nunca se chamem explicitamente de Mantis, ele confirmou oficialmente que era sua intenção que todos seguissem Mantis ao longo de sua jornada de maternidade.

O fim do mandato de Englehart em Os Vingadores concluiu com a enorme história de “Madonna Celestial”, enquadrando Mantis como a mãe destinada do “Messias Celestial”, gerado com o Prime Cotati, um ser vegetal com laços de longa data com os Kree e os Skrulls.

Publicidade

A história de Mantis terminou com ela saindo com o Prime Cotati, que estava habitando o corpo de seu ex-companheiro de equipe, o Espadachim, para engravidar e ter seu filho entre as estrelas. Com a partida de Englehart logo depois, ele aparentemente decidiu que queria continuar a história “Madona Celestial/Messias”, levando a personagem “Willow” a aparecer em Liga da Justiça da América #142 em 1977.

Willow era uma mulher de pele verde com incríveis habilidades de luta, conhecimento celestial, e uma propensão a se referir a si mesma na terceira pessoa, dizendo ao Aquaman: Esta veio de um lugar que ela não deve nomear, para chegar a um lugar que nenhum homem deve conhecer!”.

Esta é claramente uma dica não tão sutil de Englehart que Willow é de fato Mantis, e não pode dizer seu nome real ou explicar sua trama em detalhes por causa de questões de direitos autorais e, no final da edição, ela diz ao Átomo: As pessoas mudam! Os tempos mudam! Os nomes e os corpos mudam!”.

Publicidade

Willow então explica explicitamente como ela deixou de ser uma humana normal da Terra para conhecer uma entidade cósmica com quem ela foi embora e, eventualmente, engravidou, e com essa história Willow deixou o Universo DC e nunca mais voltou.

Vários anos depois, Mantis apareceu como Lorelei na série Scorpio Rose de Englehart na Eclipse Comics, uma reformulação de uma série da Madame Xanadu que foi cancelada pela DC Comics, e ela agora deu à luz seu filho (mais tarde revelou ser Quoi, o “Messias Celestial”) e o está criando em uma comunidade suburbana.

Publicidade

Lorelei foi vista novamente em Coyote Collection #1 da Image Comics vários anos depois, novamente escrita por Englehart, encerrando a jornada multiversal de Mantis pelo mundo dos quadrinhos. O fato de que Englehart foi capaz de tecer com sucesso a história “Madona Celestial” em editoras diferentes é fascinante, e também mostra o quão importante e versátil é a Mantis.

Mas e você, o que acha de tudo isso? Comente em nosso grupo do Telegram!

Acompanhe o Legado da DC e saiba tudo sobre as produções DCnautas.

Publicidade

Escute o Podcast do Legado:

Site Parceiro
© 2019-2022 Legado Plus, uma empresa da Legado Enterprises.