Coringa se tornou o Batman mais estranho no futuro mais torcido da DC

Ele pode ser o pior inimigo de Batman, mas em um dos futuros mais sombrios do Universo DC, o Coringa teve que se tornar o Cavaleiro das Trevas para salvar Gotham!

Coringa
PUBLICIDADE

Enquanto o Coringa do universo principal se diverte atormentando Batman, uma versão alternativa vive em uma Terra tão inacreditavelmente demente, que ele é forçado a assumir o manto do Cavaleiro das Trevas. A história Batman: Eu, Coringa se passa em um futuro distante, onde Gotham foi invadida por um culto que adora as histórias de Batman e sua galeria de vilões. A seita é dirigida por um líder tão opressor que o candidato mais improvável se levanta para libertar Gotham de seu governo tirânico.

 

    LEIA MAIS!

 

Batman: Eu, Coringa vem da equipe criativa de Bob Hall, Lee Loughridge e Albert DeGuzman. Um título de Elseworlds, o conto se passa em um futuro não-canônico, onde Batman é considerado uma figura lendária pela Igreja de Batman. O dia mais sagrado para a comunidade é a Noite do Sangue, um evento em que cidadãos comuns que foram involuntariamente alterados e submetidos a lavagem cerebral para se parecerem com os inimigos clássicos de Batman são caçados pelo líder despótico da igreja, O Bruce.

PUBLICIDADE

O homem selecionado para o papel mais vilão no cânone do Cavaleiro das Trevas é Joe Collins, o líder de um grupo de resistência com o objetivo de derrubar a Igreja. Collins e sua namorada, Marya, tentam romper a tradição do culto até serem capturados por Bruce, que altera Joe cirurgicamente para ser o Coringa da Noite de Sangue. Collins escapa com o suficiente de sua personalidade para lhe dar uma chance de lutar para derrubar a Igreja de Batman para sempre.

Tendo descoberto anteriormente os restos da Batcaverna, o novo Coringa se depara com uma gravação do Batman original que incita quem encontrar sua mensagem a assumir o manto e salvar Gotham. Apesar de parecer o pior pesadelo de Gotham, Joe veste um Batsuit e derruba O Bruce, levando Marya como sua ajudante para reacender a parceria de Batman e Robin mais uma vez.

Apesar dele não ser o Coringa original, Collins realmente se parece e age como ele, embora com humanidade suficiente para fazer a coisa certa. E enquanto ele pode nunca ser capaz de retornar ao seu antigo eu, ele se torna o salvador que o futuro Gotham realmente precisava. A lenda de Batman havia sido pervertida a ponto de um homem ser capaz de justificar caçadas humanas para suprimir a dissensão e manter seu poder na igreja.

PUBLICIDADE

Ironicamente, ver a luta de Batman por justiça e ordem ser tão corrompida é exatamente o tipo de coisa que se encaixaria no senso de humor sombrio do Coringa original. A esse respeito, a ideia de um Coringa heróico ser o único que poderia enfrentar um Batman tirânico é a coisa mais lógica sobre esse futuro distorcido.

As forças opostas de Batman e Coringa são uma das poucas constantes no Universo DC, então quando um deu errado, era natural que o outro fosse bom. Mas, a menos que Batman decida mudar de lado, não espere que o Coringa padrão esteja vestindo a capa e o capuz tão cedo.

[créditos: Screen Rant]

Acompanhe o Legado da DC e saiba tudo sobre os quadrinhos dcnautas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Sair da versão mobile