Batman Vs Superman: Edição Definitiva | Como o corte de Snyder corrige a versão dos cinemas

A 'Edição Definitiva' não muda o tom ou os temas de 'Batman vs Superman', mas inegavelmente o torna um filme muito melhor e mais coerente.

PUBLICIDADE

O segundo filme do DCEU, Batman Vs Superman: A Origem da Justiça, é um filme bastante controverso e por boas razões. A visão de Zack Snyder para a DC nos cinemas estava enraizada nas obras de Frank Miller, especialmente no que se refere ao Batman.

A versão de Batman Vs Superman lançada nos cinemas foi criticada em seu lançamento e dividiu o público geral. Uma das críticias mais recorrentes afirmavam que a trama era confusa, e que se concentrava demais na criação de filmes futuros.

Em meio a essa recepção divisiva, a produção ganhou uma versão de diretor com 30 minutos a mais. O corte do diretor Zack Snyder realmente melhora a experiência do filme como um todo, estruturando melhor os arcos e o desenvolvimento dos personagens.

PUBLICIDADE

Além da premissa polêmica, no entanto, o lançamento de Batman Vs Superman foi atormentado pelo marketing que entregou a história inteira e uma edição que eliminou cerca de meia hora de desenvolvimento narrativo. A Edição Definitiva não muda o tom ou os temas abordados no longa, mas inegavelmente o torna um filme melhor e mais coerente.

Clark Kent se torna um personagem crível

Indiscutivelmente, o maior problema na versão dos cinemas é o quanto da perspectiva de Clark Kent é minimizada em comparação ao arco de Bruce Wayne. Praticamente todas as cenas mostrando Clark como um ser humano real interagindo com o mundo ao seu redor foram cortadas.

Essas adições tornam seu personagem na Edição Definitiva muito mais palatável. Superman não é um herói cansado que salva o mundo de forma beligerante. Ele quer fazer o bem genuíno em um mundo que o teme e o odeia.

PUBLICIDADE

A guerra ideológica entre Batman e o Homem de Aço apenas amplifica as próprias inseguranças do Superman, enquanto Lex Luthor faz uma campanha de difamação que literalmente arruína a vida de Clark. Durante o corte estendido, suas lutas e o fato de ele tentar sempre fazer o certo tornam sua personalidade muito mais cativante.

A crueldade de Bruce Wayne é contextualizada 

Uma das consequências do personagem de Clark ser minimizado no corte dos cinemas, é que o filme parece ficar do lado de Bruce Wayne na maioria dos temas. Superman é uma ameaça legítima que talvez não consiga controlar seus poderes, o que tornaria as ações do Batman ”justificadas”, considerando o quão estranho o mundo está.

As cenas adicionais justapõem Clark e Bruce, mostrando o quão cruel o último se tornou. Logo no começo do filme, o Batman começa a marcar os criminosos que pareçam uma ameaça. Posteriormente, os marcados sempre acambam mortos de alguma maneira. Bruce vai mais longe ao dizer a Alfred que eles sempre foram criminosos, o que Alfred corretamente aponta nunca foi o caso. Batman nem sempre foi tão cruel, mas o mundo o mudou.

PUBLICIDADE

Batman é enquadrado como o hipócrita que é

Vale ressaltar que a crueldade de Batman está muito presente no corte dos cinemas, mas a Edição Definitiva deixa claro que suas ações são hipócritas em sua essência. Batman está preocupado com os danos colaterais que o Superman pode causar, mas ele não mostra contenção em matar alguns criminosos (mesmo quando tenta resgatar Martha).

Batman mata descaradamente e não vê mais os criminosos como humanos com famílias. Tudo isso muda após a morte do Superman. Bruce percebe o quão longe o Batman foi e jura fundar a Liga da Justiça em homenagem a Clark.

A hipocrisia do Homem-Morcego também é uma das principais razões pelas quais Clark discorda de Bruce. Apesar de todos os danos que o Superman fez em Metrópolis, era apenas porque ele estava tentando parar Zod. Em comparação, Batman tem uma sede de sangue genuína.

Lex Luthor é uma ameaça genuína

Lex Luthor vai de uma piada no corte dos cinemas a uma reinterpretação fascinante do nêmesis do Superman na edição final. Seguindo elementos do neurótico Lex de Gene Hackman em Superman de Richard Donner, o Lex de Jesse Eisenberg tem uma presença verdadeiramente ameaçadora na Edição Definitiva.

Ele coloca Superman e o Batman um contra o outro com maestria, enquanto a maioria de suas excentricidades são melhor contextualizadas e, como resultado, mais palatáveis. O Lex de Batman Vs Superman ainda carece do carisma absoluto de sua contraparte nos quadrinhos, mas o corte de Zack Snyder o transforma em uma ameaça genuína na narrativa.

O incidente na África não é mais um evento aleatório

Um grande problema com o corte teatral é como o incidente na África é tratado. O que o público viu foram mercenários aleatórios atirando em pessoas e atribuindo suas mortes ao Superman. A Edição Definitiva oferece um contexto real de por que Lois Lane está lá e quem é Jimmy Olsen, juntamente com a descrição dos assassinatos.

Os corpos são queimados de forma que se assemelham às vítimas da visão de calor do Superman. Os meios de Lex Luthor para enquadrar Clark na Ultimate Edition faz muito mais sentido do que o corte teatral.

Superman nunca seria capaz de impedir a explosão

Lex Luthor orquestra uma grande explosão na presença do Superman, onde o herói não consegue evitar. O objetivo do incidente é fazer Superman parecer incompetente, o que é feito com maestria no corte dos cinemas. O que deveria ser um momento angustiante é ofuscado pelo que parece ser um Superman desinteressado e que não está prestando atenção no mundo em sua volta.

A Edição Definitiva esclarece que a bomba estava envolta em chumbo, por isso o Superman não seria capaz de ver através dela. Mais importante, as cenas adicionadas de Clark contextualizam seu estado mental emocionalmente deprimido neste ponto do filme. Ele não está desfocado, ele está ferido – mas ele teria impedido a bomba se pudesse.

A meia hora extra deixa o filme respirar

Um dos maiores benefícios das cenas adicionais é que elas permitem que o filme respire. Batman Vs Superman tem uma narrativa inchada e com altos e baixos. O corte dos cinemas, em última análise, atravessa a metade da construção de Clark, fazendo parecer um filme estrelado pelo Batman, em vez de um conflito de ideologias.

A meia hora extra permite que o público compreenda melhor a perspectiva de Clark enquanto humaniza Bruce como uma espécie de herói caído trágico. A presença de Lex também é visivelmente melhor e Lois Lane recebe uma profundidade adicional, o que torna seu relacionamento com Clark ainda mais significativo.

Batman e Superman alcançam um ponto de ruptura gradual

Jogando com o tempo de execução mais longo, a meia hora extra permite que Batman e o Superman atinjam um ponto de ruptura gradual no final do filme. No corte teatral, há pouca rivalidade entre eles. Este não é o caso da Edição Definitiva.

Bruce começa a se preocupar com a quantidade de danos que o Superman pode causar, com a explosão servindo como seu ponto de ruptura (especialmente porque um de seus funcionários, prejudicado pela invasão à Metrópolis, se radicalizou contra o Superman).

As investigações de Clark sobre o Batman no decorrer do filme só o deixam cansado com o quão cruel Bruce se tornou com o tempo. Batman marca os homens e os condena à morte, sem se importar com o efeito que isso possa ter sobre suas famílias. Mais importante, o corte de Zack Snyder deixa claro que o Superman nem mesmo quer lutar contra o Batman – ele só quer conversar.

O final tem muito mais peso

A morte do Superman já no segundo filme do DCEU sempre foi difícil de vender. O público simplesmente não o conhece bem o suficiente e ele não tem um relacionamento real com o Batman. A Edição Definitiva não corrige bem este aspecto, mas pelo menos estabelece um contexto mais crível. O longa é uma história sobre um Batman cansado em confronto com um Superman inexperiente.

Nenhum dos personagens está no auge e isso é evidente. O Batman essencialmente perdeu todo o sentido de seu heroísmo, um fato que foi martelado várias vezes ao longo da trama. A morte de Superman é um evento que ocorreu muito cedo, mas seu sacrifício faz Bruce perceber o erro de suas decisões. No final, Superman inspira Batman a ser um verdadeiro herói novamente.

É uma base melhor para ‘A Liga da Justiça de Zack Snyder’

A Edição Definitiva ainda é uma configuração melhor para o filme da Liga da Justiça. Batman é indiscutivelmente o personagem principal da maior parte do Snyder Cut, e seu arco é uma continuação direta de seu desenvolvimento em Batman Vs Superman.

Da mesma forma, a presença da Mulher-Maravilha no filme é melhor tratada e todas as cenas extras com Clark tornam seu retorno à Liga da Justiça de Zack Snyder muito mais impactante. As Caixas-Maternas e o resto da Liga também são sugeridos de uma maneira mais natural.

Apesar da recepção divisiva, o segundo filme do DCEU/Snyderverso ganhou uma base de fãs considerável e é frequentemente discutido pelos internautas. É inegável que Batman Vs Superman está virando uma espécie de ”cult classic” entre a comunidade geek.

[Créditos: Gamerant]

Mas e você, já assistiu ao ”Snyder Cut” do polêmico Batman Vs Superman? Não esqueça de comentar em nossas redes sociais!

Fique por dentro do Legado da DC e saiba tudo sobre o SnyderVerso.

LEIA MAIS!

 

 

PUBLICIDADE

Sair da versão mobile