O relacionamento mais tóxico do Coringa não foi com a Arlequina; entenda

O relacionamento mais tóxico do Coringa não foi com a Arlequina; entenda

A Harley Quinn passou de uma personagem secundária em Batman: A Série Animada a uma amada anti-heroína e um dos maiores pilares da DC Comics. Originalmente apenas uma asseclasdo...

 O relacionamento mais tóxico do Coringa não foi com a Arlequina; entenda
Publicidade

Publicidade

A Harley Quinn passou de uma personagem secundária em Batman: A Série Animada a uma amada anti-heroína e um dos maiores pilares da DC Comics. Originalmente apenas uma asseclasdo Coringa , ela rapidamente se transformou em uma amante apaixonada, apenas para finalmente romper com o vilão depois que seus tormentos implacáveis ​​se tornaram demais.

 

   LEIA MAIS!

 

Publicidade

Ela se tornou um ícone para sobreviventes de abusos psicológicos e físicos, além de enfatizar a alma doentia e distorcida do Coringa. Mas a própria Harley Quinn não é a primeira vítima da crueldade romântica do vilão, nem a mais tóxica. Alicia Hunt, a parceira do Príncipe Palhaço do Crime em Batman, sofreu um destino muito mais sombrio do que o da Arlequina.

O caso dela com Jack Napier indiretamente leva à sua transformação no Coringa, resultando na tortura chocantemente brutal que ele faz com ela. E, ao contrário de Harley, ela finalmente morre por causa do abuso. Batman: A Série Animada surgiu do sucesso dos filmes de Tim Burton, com luz verde após a sequência Batman: O Retorno.

Como tal, ele carrega fios de Burton em seu DNA, das caracterizações do Pinguim e Mulher-Gato até o uso da trilha sonora clássica de Danny Elfman nos créditos iniciais. Batman: A Máscara do Fantasma até nomeou o Coringa como Jack Napier, sugerindo que alguns eventos dos filmes de Burton aconteceu na série animada.

Publicidade

A Arlequina ganhou muita popularidade com o desenrolar da série, bem como uma trágica história de fundo como uma psicóloga de Arkham que perde seu coração, e sua sanidade, para o pior paciente de terapia de todos os tempos. No entanto, visando atingir o público mais jovem, o tom da série ainda era leve.

O filme de Tim Burton teve pouco interesse em ser exagerado ou bobo. Isso fez do Coringa uma figura muito mais assustadora do que a visão mais alegre da série animada. Seu abuso com Alicia é evidente desde o início, antes mesmo do criminoso se transformar no Coringa.

Publicidade

Após a transformação de Jack, Alicia aparece usando uma máscara branca, que ela remove para Vicki Vale, revelando um rosto marcado por ácido. Alicia posteriormente comete suicídio fora da tela, aumentando a intensidade da perseguição do Coringa por Vale.

O arco sugere fortemente que Alicia foi forçada a ficar com o Coringa por temer por sua vida, apenas para ser fisicamente torturada e aproveitada para participar de sua visão de mundo enlouquecida. E ao contrário de Harley, Alicia sucumbe ao tormento.

Publicidade

Seu suicídio é uma sugestão sombria do destino reservado para Vicki e, por extensão, para a própria Harley Quinn. A própria insanidade da Arlequina poderia tê-la poupado dos piores efeitos psicológicos do abuso do Coringa, mas se ela não o tivesse deixado, poderia ter chegado a esse ponto.

Em suma, Alicia Hunt representa um padrão de comportamento que Harley é forte o suficiente para combater. Ao evitar o fim sombrio de sua predecessora, Arlequina se poupa de uma morte quase certa e de horrores muito piores do que qualquer coisa que ela experimentou antes.

Mas e você, o que acha de tudo isso? Não esqueça de comentar em nossas redes sociais!

Publicidade

Para mais noticias sobre o mundo DCnauta, continue acompanhando o Legado da DC.

Créditos: CBR
Site Parceiro
© 2019-2022 Legado Plus, uma empresa da Legado Enterprises.