As 10 frases do Dr. Manhattan que vão te causar crises existenciais

Dr. Manhattan é um dos personagens mais interessantes do universo Watchmen. Aqui estão algumas de suas citações mais filosóficas.

As 10 frases do Dr. Manhattan que vão te causar crises existenciais

Seja nas histórias em quadrinhos ou nas adaptações live-action, o todo-poderoso ”herói” de pele azul de Watchmen, Dr. Jonathan Osterman, também conhecido como Dr. Manhattan, é um dos personagens mais filosóficos da...

 As 10 frases do Dr. Manhattan que vão te causar crises existenciais
Imagem: Reprodução | Divulgação
Publicidade

Publicidade

Seja nas histórias em quadrinhos ou nas adaptações live-action, o todo-poderoso ”herói” de pele azul de Watchmen, Dr. Jonathan Osterman, também conhecido como Dr. Manhattan, é um dos personagens mais filosóficos da cultura pop. Falando por meio de metáforas enquanto acrescenta um ou dois fatos científicos, as palavras de Manhattan podem ser bastante confusas, mas instigantes.

Mesmo tendo poderes divinos, ele se recusa a ajudar a humanidade às vezes, pois deseja descobrir uma sociedade e uma galáxia que seja “menos complicada que esta”. Uma parte constante do universo de Watchmen, Manhattan parece estar em um estado perpétuo de ausência de emoção, muitas vezes entregando-se a discursos introspectivas.

10 – “…Um único ovo.”

Publicidade

Alan Moore estava em sua melhor forma poética quando escreveu as falas de Manhattan em Watchmen original. “E ainda, em cada acasalamento humano, mil milhões de espermatozóides competem por um único óvulo”, o personagem começa um monólogo com esta linha, explicando como a própria existência de humanos é uma questão estatística que depende de certas probabilidades.

Ele dá essa explicação quando descobre que Laurie Jupiter (Silk Spectre) era filha de Edward Blake. Consequentemente, neste ciclo de incerteza em constante mudança, cada “ovo” resulta em uma certa forma de vida diferente. Este ato de criação pode parecer uma ocorrência comum para nós, mas se pensarmos da perspectiva do Dr. Manhattan, é de fato um “milagre termodinâmico”.

9 – “Nada termina, Adrian. Nada nunca termina.”

Publicidade

Enquanto os humanos têm uma vida útil limitada, o Dr. Manhattan parece imortal. Quando o anti-herói narcisista Adrian Veidt, também conhecido como Ozymandias, causa estragos em seu próprio plano de aniquilação nuclear, ele busca a aprovação de Manhattan. Ozymandias sabe muito bem que seus planos custam vidas humanas, mas está convencido de que é necessário reiniciar a sociedade humana.

“Eu fiz a coisa certa, não fiz? Tudo deu certo no fim”, diz Ozymandias, em um tom agridoce. A isso Manhattan simplesmente responde: “No fim? Nada nunca termina, Adrian.” Afinal, mesmo que o mundo pareça acabar, o evento é apenas uma ocorrência secundária no universo para Manhattan. O mundo continua girando, não importa o que aconteça.

8 – “Não há futuro. Não há passado.”

Publicidade

Em todas as versões de Watchmen, É difícil descobrir em que período de tempo existe Manhattan. Embora tenha memórias claras de seu passado humano, ele também está igualmente ciente de seu futuro. E mesmo suas interações no presente revelam ainda que ele pode experimentar simultaneamente duas linhas do tempo ao mesmo tempo.

Portanto, para alguém como o Dr. Manhattan, o tempo é de fato uma construção social, um mito criado pelos humanos para regular suas vidas. Ele simplesmente aceita o futuro em vez de mudá-lo.

7 – “Eu quase esqueci a sensação de não saber, as delícias da incerteza.”

Publicidade

Como mencionado antes, Manhattan parece ver todas as linhas do tempo simultaneamente, levando a sua visão fatalista da vida. Mas em seu caminho para a base de Ozymandias na Antártica, os táquions começam a obstruir sua conexão com o futuro. Para variar, os leitores encontram Manhattan em uma fase de incerteza.

Em vez disso, isso o anima, pois ele parece ter perdido a possibilidade de não ter noção do futuro. A “empolgação de não saber” desperta emoções em Manhattan que o público raramente o vê sentir.

6 – “Eu sou apenas um fantoche que pode ver as cordas.”

Publicidade

Manhattan comenta a Laurie Júpiter sobre como este mundo é habitado por fantoches. Ele mesmo admite ser um fantoche, o único que consegue ver suas cordas. Surge a pergunta: quem puxa esses fios? Mesmo Manhattan não parece saber a resposta por trás disso e nem mostra qualquer interesse em descobrir essa dúvida existencial.

Apesar de seus poderes divinos, Manhattan acredita que tudo está predestinado, incluindo suas próprias respostas. Por isso mesmo, ele se recusa a interferir no continuum espaço-tempo e permite que os eventos se desenrolem como deveriam. Por esse motivo, embora Manhattan possa parecer um deus entre os mortais, ele ainda é impotente sobre seus pensamentos e ações.

5 – Um corpo vivo e um corpo morto contêm a mesma quantidade de partículas.”

Publicidade

Claro, um corpo vivo e um corpo morto não são a mesma coisa. Mas, estruturalmente, eles parecem ser os mesmos e Manhattan passa a igualar a vida à morte, referindo-se a ambas como “abstratos não quantificáveis”. Uma observação mais filosófica do que científica, esta citação é importante para o arco do personagem, pois mostra sua falta de empatia para com a existência humana em geral.

Ozymandias também parece ter o coração frio quando se trata da perda de vidas humanas. No entanto, seus planos são elaborados para fornecer um melhor começo para uma nova humanidade. Manhattan, por outro lado, não parece se importar nem um pouco.

4 – “Estou em cada momento em que estivemos juntos, ao mesmo tempo.”

Publicidade

Em Watchmen da HBO, as circunstâncias do episódio final forçam Angela Abar (Regina King) a destruir o Dr. Manhattan (Yahya Abdul-Mateen III). Antes de partir, suas palavras finais evocam romance e sua própria transcendência. Ele deixa claro que mesmo em seus momentos de morte, ele é capaz de vivenciar o passado que havia compartilhado com ela.

“Estou em cada momento que estivemos juntos, ao mesmo tempo. Eu te amo, Ângela”, Disse Jon antes de desaparecer da existência. Embora o final da série sugira que ele não está realmente morto, pois teoricamente passou seus poderes para Ângela.

3 – “…Marte não escolheu a vida.”

Publicidade

Dr. Manhattan sentado em uma extensão rochosa de Marte, pensando na solidão. Este é um dos painéis mais identificáveis ​​da história em quadrinhos de Alan Moore. Insatisfeito com a constante cadeia de eventos trágicos na Terra, Manhattan busca um tempo sozinho e se teletransporta para Marte.

Laurie tenta trazê-lo de volta ao seu planeta, mas ele oferece a ela suas razões para deixar a Terra se dirigir à destruição. Dando o exemplo de Marte, ele aponta como o Planeta Vermelho escolheu um ”terreno caótico ao invés de’ vida”. A Terra, por outro lado, transbordou de vida apenas para a humanidade arruiná-la com as mudanças climáticas e a guerra nuclear.

2 – “Talvez o mundo não tenha sido feito. Talvez nada tinha sito feito.”

Publicidade

Por um lado, a analogia do fantoche de Manhattan parece apontar para a possibilidade de haver um Deus ou uma força cósmica que “puxa os cordões”. Mas ele também sente que talvez o mundo seja completamente caótico, sem nenhum de seus eventos roteirizados ou planejados de antemão. Ele passa a igualar o mundo como “um relógio sem artesão”.

Talvez isso explicasse como os humanos tentam constantemente construir uma vida utópica para si mesmos, mas as deficiências sempre persistem. “É tarde demais. Sempre foi, sempre será…”, disse Manhattan. Essa citação apenas torna seu cinismo mais evidente. Qual é o propósito da vida se aqueles que vivem não têm controle final? Essas questões estão fadadas a surgir se refletirmos sobre as observações de Manhattan.

1 – “‘Como vai’ é uma construção relativa. Não tem valor intrínseco.”

Publicidade

Certa vez, um fotojornalista perguntou casualmente a Manhattan: “Como vai, doutor?”. Para responder à sua pergunta, Manhattan percorreu um caminho profundamente metafísico, explicando-lhe o conceito de “como vai” em um sentido puramente científico e filosófico.

Ao invés e responder naturalmente como qualquer um, Manhattan vê o “como vai” como uma espécie direção. E as direções, assim como o tempo, são mais uma vez meras construções sociais para o médico onisciente. Este é apenas um dos muitos casos em que suas palavras colocam todos ao seu redor em um ajuste existencial.

Mas e você, já pensou muito sobre alguma citação do Dr. Manhattan em Watchmen? Não esqueça de comentar!

Publicidade

Acompanhe o Legado da DC e saiba tudo sobre o Universo DCnauta.

[Créditos: Screenrant]

LEIA MAIS!

Publicidade

 

Site Parceiro
© 2019-2022 Legado Plus, uma empresa da Legado Enterprises.