Batman: Oito vezes em que o herói quebrou sua regra de “não matar”

Batman: Oito vezes em que o herói quebrou sua regra de “não matar”

O Batman existe há mais de 80 anos. Desde o início do personagem em 1939, o Cavaleiro das Trevas permaneceu como um farol de esperança e justiça para o...

 Batman: Oito vezes em que o herói quebrou sua regra de “não matar”
Publicidade

Publicidade

O Batman existe há mais de 80 anos. Desde o início do personagem em 1939, o Cavaleiro das Trevas permaneceu como um farol de esperança e justiça para o povo de Gotham City. Como os fãs da DC Comics certamente sabem, a característica definidora da bússola moral do Batman é sua rígida política de “não matar” em relação a seus inimigos.

 

    LEIA MAIS!

 

Publicidade

No entanto, muita coisa pode acontecer com um personagem em 80 anos. Embora o Homem-Morcego ainda mantenha essa política nobre, houve momentos em que ele quebrou sua própria regra cardinal. Alguns exemplos do Batman matando um inimigo são inequivocamente (e sem desculpas) flagrantes, enquanto outros são um pouco mais complicados. Independentemente disso, Batman restaurou a letalidade em mais de uma ocasião.

8 – Era de Ouro

Na Era de Ouro dos quadrinhos da DC, o Morcego de Gotham ainda estava encontrando seu equilíbrio. Traços que definem o Cavaleiro das Trevas hoje ainda estavam sendo formulados em 1939 e no início dos anos 1940. Nos anos de formação do Batman, a política de “não matar” de Bruce Wayne não era tão rigorosa.

Publicidade

Existem numerosos exemplos nos quadrinhos do Batman da Era de Ouro, onde o vigilante aplica força esmagadora (e muitas vezes letal) aos criminosos de Gotham. Alguns de seus primeiros assassinatos incluem jogar propositalmente um homem em um tonel de ácido, empalar outro homem com uma espada e até quebrar o pescoço de outro cara. Apenas um pouco mais tarde o herói da DC adotou seus métodos não letais canônicos.

7 – Batman e Batman: O Retorno

Os fãs que são bem versados ​​na história da DC Comics notarão algumas semelhanças impressionantes entre o Batman da Era de Ouro e a versão do personagem de Michael Keaton. Em Batman e Batman: O Retorno, o Cavaleiro das Trevas não está muito pensativo sobre matar os bandidos que ele enfrenta.

Publicidade

Esta foi uma decisão interessante, considerando que em 1989 a política de “não matar” de Batman já havia sido solidificada nos quadrinhos da DC há algum tempo. De fato, é justo afirmar que o Batman de Keaton tecnicamente nem possui uma regra de “não matar”. Por exemplo, no primeiro filme, muitos fãs provavelmente se lembrarão da cena em que o vigilante destrói a fábrica de gás hilariante do Coringa, junto com todos dentro dela.

O Batwing também está armado com bastante armamento letal. Esta versão do Cavaleiro das Trevas ocupa uma área moralmente cinzenta interessante, onde métodos letais e não letais são misturados, dependendo das circunstâncias. No entanto, a representação do Cavaleiro das Trevas nesses filmes certamente está em desacordo com a representação tradicional do personagem .

6 – O Cavaleiro das Trevas Ataca Novamente

Publicidade

O Batman de Frank Miller é um indivíduo bastante assustador. Há casos em que o personagem parece homicida. No entanto, apesar da crueldade que Batman exibe em O Cavaleiro das Trevas, Bruce Wayne ainda adere aos seus caminhos não letais. No entanto, há momentos em que Batman adota uma flexibilidade em sua regra mais elementar.

Isso se torna evidente em O Cavaleiro das Trevas Ataca Novamente. Nesta história, Batman é confrontado por seu ex-Robin, Dick Grayson, o último dos quais está empenhado em se vingar de seu mentor muitas vezes cruel. Além de toda esperança de salvar e aparentemente indestrutível, Batman propositalmente ataca Dick, fazendo com que o último caia em um abismo de lava.

Publicidade

A trilogia Batman & Dracula é um conto ”Elseworlds” bastante sombrio, mas cativante, de Kelley Jones. Nesta série de três partes, Batman se envolve com o próprio Conde Drácula. Embora o sugador de sangue seja finalmente derrotado, Bruce é mordido na luta e se torna um vampiro também.

Inicialmente, Bruce gerencia sua aflição, mas eventualmente sucumbe à besta interior. Impulsionado por seu desejo por sangue, Batman abandona seu nobre credo e massacra todos em seu caminho. Ele dizima sua galeria de vilões e até decapita muitos deles. Testemunhar o Batman se transformar em algo tão monstruoso é triste de se ver.

4 – Arkham Origins

Publicidade

Em Arkham Origins, os jogadores controlam o Cavaleiro das Trevas durante o estágio inicial da carreira do combatente do crime. Na véspera de Natal, Batman é apresentado a muitos dos vilões que eventualmente se tornarão seus inimigos de longa data. Um desses personagens é Bane, uma massa enorme de músculos que prova ser extraordinariamente perigosa para o Cavaleiro das Trevas.

Durante a parte final do jogo, o Homem-Morcego é confrontado com um dilema moral interessante: ele deve matar Bane para impedir que o Coringa se mate por meio de uma cadeira elétrica. Em última análise, Batman realmente mata Bane, salvando o Coringa. Bruce Wayne, no entanto, revive Bane com a ajuda de suas manoplas elétricas logo depois. Então, Batman mata Bane… pelo menos por alguns segundos.

3 – Batman Begins

Publicidade

Os fãs da trilogia de Christian Bale já sabem do que isso se trata. Muito parecido com sua contraparte moderna dos quadrinhos, a trilogia de filmes Cavaleiro das Trevas adere a uma estrita política de “não matar”. No entanto, esse credo é dramaticamente posto à prova (e falhou) no final de Batman Begins na luta final contra Ra’s al Ghul.

Batman deixa Ra’s al Ghul para morrer em um trem desgovernado. O raciocínio de Bruce Wayne para isso é dado quando ele afirma: “Eu não vou te matar… mas eu não tenho que te salvar”. De um ponto de vista estritamente moral, este é um argumento bastante ilógico. Ao não salvar Ra’s, Batman está, de fato, matando-o. Nenhuma justificativa interna instável muda o fato de que Batman teve a chance de salvar a vida de alguém… e não o fez.

2 – Arkham Knight

Publicidade

Ra’s al Ghul não consegue descansar. Outro dilema semelhante com o mesmo vilão atormenta o Cavaleiro das Trevas em uma DLC de Arkham Knight. No cenário focado em Ra’s al Ghul, a guerra civil irrompe dentro da Liga dos Assassinos sobre se o Cabeça do Demônio deve ou não continuar liderando a organização sombria.

Batman tem duas opções quando se trata de lidar com Ra’s. Uma opção envolve cortar o suprimento de Ra dos materiais que sustentam sua imortalidade. Isso acaba com a ameaça de Ra’s al Ghul de uma vez por todas. No entanto, mais uma vez, Batman está efetivamente matando Ra’s al Ghul por esta decisão. De certa forma, Batman conscientemente abandona sua regra de “não matar” para impedir um assassino perigoso.

1 – Batman Vs Superman

Publicidade

Se as pessoas pensavam que o Batman de Michael Keaton era implacável, a versão do personagem de Ben Affleck é ainda mais rígido. Em Batman Vs Superman: A Origem da Justiça, o Cavaleiro das Trevas não faz segredo de que ele usa força letal. O filme poderia ter explicado um pouco melhor por que exatamente Bruce Wayne age dessa maneira.

Está implícito que Batman perdeu seu caminho em algum lugar ao longo de sua carreira como o protetor de Gotham, talvez após a morte do Robin. Qualquer aparência de uma regra de “não matar” está ausente nos eventos do filme. Bandidos são baleados, explodidos e incinerados em vários pontos ao longo da trama.

Mas e você, o que acha de tudo isso? Não esqueça de comentar em nossas redes sociais!

Publicidade

Para mais curiosidades DCnautas, continue de olho no Legado da DC.

Créditos: Gamerant
Site Parceiro
© 2019-2022 Legado Plus, uma empresa da Legado Enterprises.