Como a sequência em HQ do Superman de Christopher Reeve corrige o DCEU e o Snyderverso

Como a sequência em HQ do Superman de Christopher Reeve corrige o DCEU e o Snyderverso

Como a sequência em HQ do Superman de Christopher Reeve corrige o DCEU e o Snyderverso

Superman é um personagem tão clássico com tantas iterações que é difícil definir precisamente o que ele representa. Superman – O Filme capturou pela primeira vez sua essência na tela grande...

Como a sequência em HQ do Superman de Christopher Reeve corrige o DCEU e o Snyderverso
Imagem: Reprodução | Divulgação
PUBLICIDADE

PUBLICIDADE



Superman é um personagem tão clássico com tantas iterações que é difícil definir precisamente o que ele representa. Superman – O Filme capturou pela primeira vez sua essência na tela grande de uma maneira atemporal, mas as iterações posteriores dos personagens no DCEU, como O Homem de Aço, provariam ser partidas dramáticas.

 

PUBLICIDADE

    LEIA MAIS!

 

De forma refrescante, Superman ’78 recaptura a sensação e o espírito da série de filmes original onde o personagem foi interpretado por Christopher Reeve. Em um clímax dramático que vê o Superman travado em uma batalha de filosofia tanto quanto força, a série corta o coração do que exatamente são suas adaptações cinematográficas posteriores perdidas sobre o personagem.

PUBLICIDADE

Superman ’78 começou sua história de onde a continuidade dos filmes de Christopher Reeve parou, em um mundo antiquado onde um Clark Kent de coração mais leve protege Metrópolis como Superman. Quando uma inteligência extraterrestre conhecida como Brainiac chega ao planeta, buscando coletar Metropolis e miniaturizá-la em uma garrafa que a preservará para o registro histórico, é o poder ilimitado do Superman que impede o ciborgue. Mas mais importante do que a força do Superman, ou velocidade, ou visão de calor, ao longo da história, é o seu coração.

PUBLICIDADE

No clímax da minissérie na edição #6, de Robert Venditti, Wilfredo Torres, Jordie Bellaire e Dave Lanphear, Superman escapa da captura de Brainiac enquanto os dois se envolvem em um diálogo combinando os golpes de seu combate. O diálogo é encantador, mas o verdadeiro destaque da série vai na alma do que os quadrinhos e os filmes originais do Superman entendem sobre o personagem. Brainiac é uma entidade puramente lógica que não tem mais esperança na vida senciente, acreditando que a humanidade desperdiçou suas chances e não é mais responsável por seu próprio destino. Mas Superman se recusa a ceder, insistindo que a humanidade sempre merece uma segunda chance e que ele sempre verá o bem na humanidade, por mais mal que mostre. E então, ele ganha.

Sem compromisso moral ou uma aceitação solene do fracasso de sua ideologia em corresponder às realidades do mundo, o Superman de Superman ’78 fornece uma história triunfante e otimista. Entende que o Super-Homem é uma figura aspiracional e que a história não é menos convincente em seu conflito simplesmente porque seu dinamismo resulta de outros aspectos da narrativa fora de seu protagonista. E nesse entendimento, a história em quadrinhos serve como um lembrete de quão diferentes as representações mais recentes do Super-Homem nas telas são de suas raízes de Christopher Reeve.

O Homem de Aço trouxe o personagem para o DCEU e estabeleceu em primeiro lugar a luta contínua do herói com questões morais. No filme, seu conflito entre salvar vidas e revelar seu segredo para o mundo termina com seu pai morrendo em um tornado que o Superman poderia tê-lo salvado. No clímax, enfrentando o kryptoniano Zod com poderes semelhantes, Superman quebra o pescoço do vilão em vez de deixar Zod tirar mais vidas inocentes. O momento precede um grito angustiado do herói, dando o tom para a figura mais sombria e ameaçadora em todo o resto do DCEU.

Superman

O herói de Superman ’78 agiria de maneira muito diferente na mesma situação. Mesmo com Brainiac ameaçando toda Metrópolis, jogando a cidade de volta à Terra depois de desenraizá-la do chão, no final da história, Superman pega a cidade em queda e a devolve com segurança ao seu lugar. Tudo volta ao normal, o status quo é restaurado e a mensagem mais profunda é preservada: quando o dia parece pior e toda a esperança se perde, o Superman sempre estará lá para protegê-lo.

A minissérie foi uma maneira refrescante de recapturar o espírito de um herói raramente visto nas histórias modernas. Há uma abundância esmagadora de histórias de super-heróis na mídia de massa hoje que exploram temas de conflito moral, ou o conflito entre realidade e ideologia, ou as imperfeições de figuras mitológicas. Mas são os contos de um paradigma moral que prevalece sobre tudo, pois ele fornece o padrão-ouro do que a humanidade é que se encaixa melhor no Superman. Ele pode ser o Homem de Aço, mas nunca parece uma história do Super-Homem, a menos que ele tenha um coração de ouro.

[créditos: CBR]

Acompanhe o Legado da DC e saiba tudo sobre os quadrinhos dcnautas.

© 2020-2023 Legado da DC, uma empresa da Legado Enterprises.
Developed By Old SchooL