Como a experiência de Thomas Wayne como médico o torna um Batman melhor

O legado de Thomas Wayne como um médico ajudou a aprimorar suas habilidades de combate ao crime como o Batman do Flashpoint, tornando-o um Cavaleiro das Trevas melhor do que Bruce.

Como a experiência de Thomas Wayne como médico o torna um Batman melhor

O legado de Thomas Wayne como um médico ajudou a aprimorar suas habilidades de combate ao crime como o Batman do Flashpoint, tornando-o um Cavaleiro das Trevas melhor do que Bruce.

Como a experiência de Thomas Wayne como médico o torna um Batman melhor
BATMAN DO FLASHPOINT
Imagem: Reprodução | Divulgação
PUBLICIDADE

O Universo DC produziu muitos Batmans diferentes ao longo dos anos. Mas, dentre esses muitos Batmans, um se destaca pelas conflitos únicos que o impulsionam. Thomas Wayne nunca deveria ter usado a capa. Ele tinha um destino diferente, um que, apesar de seus esforços violentos para punir um mundo que lhe tirou o filho, ainda é visível nas ruas de Gotham City (via Screen Rant).




PUBLICIDADE



A edição #5 de Flashpoint (por Geoff Johns, Andy Kubert, Sandra Hope, Jesse Delperdang, Alex Sinclair e Nick J. Napolitano) revelou que o período de Thomas Wayne como Batman nasceu das tentativas de Barry Allen de reescrever seu passado, enviando ondas de caos temporal através da corrente do tempo. O boom temporal resultante desestabilizou a vida de Thomas Wayne, transformando o humilde médico em uma paródia sombria do curandeiro que ele estava destinado a ser. Enquanto o Batman de Bruce dominava muitas habilidades e certamente não era leigo quando se tratava das artes médicas, a história de Thomas como curandeiro o ajudou a se tornar um tipo completamente diferente de Batman.

O poder da medicina fez de Thomas um lutador devastador

PUBLICIDADE

O conceito do Batman repousa sobre diversos pilares, sendo um dos mais significativos a sua destreza marcial. Ele é um Cavaleiro das Trevas, um defensor do povo comum que usa seus pés, punhos e dispositivos para protegê-los da violência que domina Gotham. Contudo, há uma certa ironia na discrepância entre como pai e filho abordam seus papéis como Batman. Bruce Wayne, o bilionário playboy, é um bisturi cirúrgico. Uma ferramenta afiada e refinada que ataca os pontos fracos de seus inimigos, incapacitando-os e tirando-os da luta o mais rapidamente possível. Em contraste, Thomas Wayne é um açougueiro. Ele possui o mesmo conhecimento de anatomia, na verdade, até melhor, mas ao invés de usar esse conhecimento para deixar o paciente intacto, ele o utiliza para desmembrá-los em pedaços.

Quando Thomas Wayne derruba um grupo de assaltantes em Flashpoint Beyond #2 (por Geoff Johns, Tim Sheridan, Jeremy Adams, Xermanico, Mikel Janin, Romulo Fajardo Jr., Jordie Bellaire e Rob Leigh), os leitores têm uma visão perfeita das formas pelas quais seu treinamento médico aprimora e influencia seu estilo de luta. Não há dispositivos. Não há fumaça e espelhos. O Batman simplesmente avança e incapacita inimigo após inimigo com esforço mínimo e brutalidade máxima.

PUBLICIDADE

A técnica marcial do Batman também oferece uma visão de sua mentalidade. Embora seu ataque seja eficiente, quebrando ossos a cada golpe, ele consegue deixar as artérias intactas com “precisão cirúrgica”. Ele faz isso para manter seu adversário consciente e prolongar seu sofrimento. Essa abordagem ao combate entraria em conflito com os princípios do Batman de Bruce Wayne, que é essencialmente um protetor. No entanto, Thomas Wayne é um punidor, e dobrar o poder da medicina ocidental para esse fim torna seus ataques ainda mais eficazes.

Muitos crimes são resolvidos na mesa de autópsia

PUBLICIDADE

O segundo pilar sobre o qual o Batman se apoia são suas habilidades como detetive. Como um investigador prolífico, as habilidades do Batman para descobrir e resolver crimes são, em muitos aspectos, tão importantes quanto sua capacidade de lutar. No entanto, assim como em sua abordagem ao combate, o treinamento médico do Batman do Flashpoint ajuda a moldar sua abordagem como investigador. Com menos foco em investigação forense no campo, Thomas Wayne demonstra uma habilidade de alto calibre para examinar os corpos que encontra em seu caminho, como é o caso quando ele descobre o corpo do Psico-Pirata. Aqui, o Batman consegue determinar que a morte do Psico-Pirata não foi um suicídio, mas um assassinato, usando seu conhecimento médico para avançar no caso.

Quando Thomas Wayne acaba no necrotério do Departamento de Polícia de Gotham prestes a realizar uma autópsia no corpo do falecido Eobard Thawne em Flashpoint Beyond #4 (por Geoff Johns, Tim Sheridan, Jeremy Adams, Xermanico, Mikel Janin, Romulo Fajardo Jr., Jordie Bellaire e Rob Leigh), ele reflete que salas como aquela eram onde ele sempre deveria estar. Aqui, o chamado de Thomas como cirurgião transparece em sua vida como o Batman, e os leitores podem sentir a profunda influência que isso exerce sobre seus métodos.

Como médico, Thomas Wayne teve que cair muito mais

No centro do personagem desse Batman está um sentimento de esperança quebrada. Seu filho assassinado. Sua esposa enlouquecida. Até mesmo seu mundo, tudo despedaçado. Mas como um curador, o Batman do Flashpoint pode fazer algo que Bruce nunca pôde fazer por seus inimigos: ajudá-los. Sua escolha de não ajudar se torna, portanto, uma decisão consciente. Muitos dos adversários de Bruce estão além de sua capacidade de salvar, mas não os de Thomas. Ele simplesmente não quer ajudar; ele quer machucar. O fato de que ele poderia agir de outra forma lança luz sobre a escuridão que o engoliu. Bruce pode ter adotado a escuridão, mas Thomas se tornou ela.

Claro, essa quase total consumação pelas facetas mais sombrias de sua psique também oferece a oportunidade perfeita para o crescimento. Apesar de algumas incursões na continuidade do DCU convencional, Flashpoint Beyond #6 (por Geoff Johns, Tim Sheridan, Jeremy Adams, Xermanico, Mikel Janin, Gary Frank, Romulo Fajardo Jr., Jordie Bellaire, Brad Anderson e Rob Leigh) demonstrou o poderoso potencial de desenvolvimento do personagem de Thomas Wayne. Thomas Wayne assumindo um novo Robin, suas tentativas de reabilitar sua esposa e sua aceitação de que Bruce está para sempre perdido para ele mostram que, no final de sua história, o sangue em suas mãos já não é mais o sangue de um assassino, mas o sangue de um cirurgião. Em outras palavras, Thomas Wayne finalmente se tornou o herói que nunca teve a chance de ser.

No final das contas, Thomas Wayne pode não ter cumprido sua promessa de uma vez de não causar danos, mas ele conseguiu ajudar as pessoas. Pode ter sido um caminho longo e difícil, mas ele conseguiu encontrar o caminho certo. O futuro do Batman do Flashpoint é definitivamente incerto, mas o que está claro é que ele tem as habilidades e motivações para se tornar um Batman melhor, do qual toda a sua família pode se orgulhar.

Acompanhe o Legado da DC e saiba tudo sobre os quadrinhos dcnautas.

Logo abaixo, assista a um vídeo do nosso canal no YouTube, a LegadoTV – se inscreva clicando aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2020-2023 Legado da DC, uma empresa da Legado Enterprises.
Developed By Old SchooL