Mudança na linha do tempo do DCEU cria um buraco no arco do Coringa

As adições de James Gunn ao DCEU trouxeram uma mudança de tom para a franquia, mas é possível que haja uma mudança maior acontecendo.

PUBLICIDADE

Pacificador de James Gunn parece estabelecer uma nova linha do tempo para o cânone do DCEU, mas a mudança cria um buraco no arco do Coringa. Quando James Gunn se juntou ao DCEU em O Esquadrão Suicida, o filme foi concebido como uma continuação de Aves de Rapina: Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa e uma reboot suave do Esquadrão Suicida de 2016.

 

 LEIA MAIS!

 

No entanto, novas evidências em Pacificador sugerem que esse não é realmente o caso. No episódio 01 da série, um diário do anti-herói é mostrado com um logotipo da Fundação Wayne, mas o logotipo é notavelmente diferente do logotipo Wayne Enterprises que aparece em Batman Vs Superman: A Origem da Justiça.

PUBLICIDADE

Outra pista no episódio 04 sugere que esta é uma linha do tempo diferente do DCEU principal, já que o vizinho de Auggie Smith questiona o Pacificador de John Cena sobre se ele é um super-herói, apontando que ”Batman não mata pessoas”.

Isso contrasta fortemente com o Batman que aparece nos filmes do DCEU liderados por Zack Snyder, que mostra um Bruce Wayne totalmente confortável usando força letal. Se esta é uma linha do tempo diferente com um Batman diferente, faz sentido que o DCEU tenha um novo Coringa nessa linha do tempo também.

Se a linha do tempo de O Esquadrão Suicida e Pacificador é diferente, com versões diferentes de Batman e Coringa que se comportaram de maneira diferente, então seria lógico que a Arlequina também deveria ser uma versão diferente, e ainda assim ela manteve a mesma história de fundo e aparência em todos os filmes.

PUBLICIDADE

Uma questão semelhante surge em torno de Amanda Waller, pois ela apareceu em Esquadrão Suicida, O Esquadrão Suicida, e agora Pacificador. No entanto, James Gunn pode ter escondido uma pequena pista para a nova linha do tempo em um detalhe da Harley Quinn no filme de 2021.

Enquanto ela parece ser a mesma personagem e certamente seu enredo segue sua emancipação do Coringa em Aves de Rapina, uma mudança física foi feita. No primeiro Esquadrão Suicida e em Aves de Rapina, Arlequina tem a palavra “Rotten” tatuada na bochecha direita, mas a tatuagem está faltando em O Esquadrão Suicida.

O diretor James Gunn disse que ouviu que Margot Robbie não gostou da tatuagem, então eles o removeram e, embora isso seja provavelmente verdade, também poderia ter sido parte do estabelecimento de uma nova linha do tempo para o Multiverso do DCEU.

PUBLICIDADE

Isso também explicaria algumas das mudanças drásticas em Rick Flag que levaram o ator, Joel Kinnaman, a dizer que o tratou como um papel totalmente novo. Outra possível explicação para o aparente buraco na trama do DCEU criado por ter um novo Coringa e Batman, mas não uma nova Arlequina, é que o DCEU pode estar pegando emprestado um truque do Arrowverse.

Na primeira temporada de Titãs, o programa apresentou a Patrulha do Destino e seu líder Dr. Niles Caulder. Para a série Patrulha do Destino, o mesmo elenco voltou, mas com Timothy Dalton assumindo o papel de Caulder e com o show nunca mencionando a existência de Gar Logan/Mutano (Ryan Potter).

Embora isso parecesse um buraco na trama no início, foi revelado durante o evento Crise nas Infinitas Terras que as duas séries realmente ocorreram em linhas de tempo semelhantes, mas desconectadas, que permitiram semelhanças físicas. Com o DCEU introduzindo o Multiverso com The Flash (2022), o Pacificador de James Gunn pode estar chegando lá primeiro.

PUBLICIDADE

Sair da versão mobile